Quem Somos | Site da Federação de Motociclismo do Ceará

Site da Federação de Motociclismo do Ceará

Quem Somos

A Federação de Motociclismo do Estado do Ceará

Desporto organizado, regulamentado com interiorização do Esporte.

A Federação que todos nós conhecemos foi criada em 25 de janeiro de 1996. A partir daí o motociclismo na taba de Iracema só evoluiu. Coligimos essa evolução tanto em número de participantes como também em qualidade nas provas além do profissionalismo dos pilotos e organizadores, ainda que amadores. A perseverança nos ideais e a vontade de renovar a nossa Federação veio ao harmonioso encontro da experiência de anos promovendo o nosso esporte. Homologar, organizar, gerir, criar e cobrar regras e procedimentos se tornam, a cada dia que passa, ações cada vez mais comuns aos desportistas, que até recentemente não tinham familiaridade com o fluxo de trabalho de uma federação desportista. Estamos no século XXI, para o esporte sobreviver é necessário um grande profissionalismo. A era romântica do taca-lhe pau, do macacão sujo de graxa e do caderninho com os tempos de volta e resultado de provas ficou para trás. Sem dúvida a maior ferramenta para se atingir esse “padrão” profissional é a organização. Com ela vem o registro, a informatização, a cronometragem computadorizada e a especialização, desde os dirigentes de prova até (especialmente) os mecânicos e pilotos. Nesse ponto, é necessário lembrar que a FMC foi a pioneira na apuração de provas de enduro através de GPS, além de criar as maquinas de navegação em substituição das calculadoras científicas que levávamos nos guidons das motos. O box de uma equipe de motociclismo hoje é mais informatizado que os CPD´S de grandes empresas da década de 90. As poças de óleo sobre o piso mal remendado de cimento cederam lugar a verdadeiros laboratórios de alta performance. Está claro para nós que para profissionalizar o esporte é necessário primeiro arrumar a casa. Conhecer o passado, organizar os documentos recebidos, recriar um ambiente de trabalho eficiente são condicionantes para que possamos trabalhar. Não é possível definir para onde vamos sem saber de onde viemos, como viemos, como chegamos aqui. Paralelamente à organização da entidade, estamos mais do que nunca estabelecendo (e cobrando) as regras do nosso esporte.

A homologação das provas é algo que veio para ficar. No ano de 2015 nenhuma prova será oficializada na federação se não atender os parâmetros da CBM. Óbvio que interesses extra esporte e até mesmo amizades terão que ceder espaço ao profissionalismo. Essa evolução do nosso motociclismo já começou há alguns anos nas gestões passadas. Este processo vai ser acelerado nesta gestão. Companheiros, a realidade do esporte amador nos dias de hoje é um nível de profissionalismo e organização cada vez maiores. Assim, decretamos a morte do famoso “jeitinho”. Ficou em nossos retrovisores. A nosso favor está a experiência de muitos anos promovendo diversas modalidades do Campeonato Cearense, com a participação de até 450 pilotos por ano, inovando com a modalidade Freestyle em nossa região.

O Empenho da FMC em realizar Campeonatos de qualidade para a Motovelocidade, Motocross, Enduro FIM e Enduro Regularidade vem da incessante busca da representatividade Cearense no cenário nacional, daí a necessidade de adquirir recursos advindos da renúncia fiscal, além do patrocínio direto. A realização das etapas de 2015 irá aumentar o fluxo turístico e incrementar o cotidiano das cidades contempladas, mantendo a tradição e apoiando as ações esportivas, contribuindo para o desenvolvimento da população, através do espetáculo esportivo e além. Neste ano a Federação implementará vários projetos de cunho social e cultural, paralelamente às nossas competições. Vamos investir em cursos para toda a cadeia produtiva do motociclismo cearense. Até mesmo as comunidades que receberão nossas competições perceberão coisas diferentes do ruído dos motores. A responsabilidade social e cultural das comunidades terá espaço nesta gestão. A que ponto nossas provas poderão influenciar positivamente estas comunidades? O que podemos fazer para melhorar nossa convivência? Tornar nossa presença por lá desejável, bem vinda? Historicamente, o Motociclismo Desportivo amador permite aos praticantes momentos de bem estar, que nos tornam mais aptos e dispostos às atividades cotidianas, pois afastam as pressões do nosso trabalho, da vida social e das exigências familiares; igualmente proporcionam muita diversão, alegria, socialização, sem contar o aumento do senso de coletividade. Se isso vale para nós, poderemos fazer valer para os povoamentos que nos acolhem? Estes são os desafios que temos para 2015 e além. Evoluir no profissionalismo, adotar novas percepções esportivas, sociais e culturais. Para finalizar. A prática de um esporte com tamanho prestígio e popularidade aumenta a autoestima, cria o hábito do trabalho em equipe, estimula a disciplina e o respeito às Leis do Transito. Tudo isto fortalece a nossa cidadania. Saudações!

Roberto Ito